junho 30, 2018

Ilha de Maiorca

A escapadela deste ano: Ilha de Maiorca.
Local da minha lua de mel...há quase 19 anos! Optamos por ficar novamente em Magaluf.
O que dizer sobre Magaluf? Duas coisas: Praia e noite! 
É! A localidade evolui muito...para a noite!...destino de jovens ingleses, viagens de finalistas e despedidas de solteiro(a)! Na altura, pareceu-nos bem mais calmo...

Mas tivemos sorte na opção do hotel. Afastado das avenidas ruidosas e com uma vista privilegiada sobre a baía. 
Não se acorda todos os dias com esta vista fantástica!




Um reconhecimento à baía de Magaluf...


No dia seguinte, visita à costa nordeste da ilha, em direcção ao cabo Formentor.
Mais montanhosa! Com miradouros sobre as falésias. Me encanta!


E chegar à famosa praia de Formentor...
Famosa, porque parece ser frequentada por algumas estrelas de cinema e famílias reais europeias!


Mas é definitivamente uma praia muito bonita! Curta em termos de areal. E toda rodeada de pinheiros e montanha.
Um belo cenário sem dúvida!
A água devia estar um pouco acima dos 20º, o que ajudava a combater os perto de 30º de temperatura ambiente.


E já sei onde ficam os "famosos". 
Existe apenas um resort no meio do arvoredo e com acesso privado à praia!


Fomos almoçar a Alcúdia. Pequena vila medieval, bem conservada e tranquila. Pequenas ruas estreitas cheias de comércio e restauração, com vestígios de ocupação romana.


E servida com uma bela e extensa praia...
Um destino mais familiar sem dúvida.


No domingo, e com alguma chuva à mistura, fomos visitar a capital: Palma de Maiorca.
Destacam-se a Catedral, conhecida com "Le Seu", o passeio Parc del Mar e o Palácio Almudaina.




Mas Maiorca significa...praias!
No terceiro dia, rumo a sudoeste da ilha procurar aquelas pequenas praias encantadoras de areia fina e água cor azul-turquesa. Alguns exemplos...
A cala Llombards...


A caló des Moro...


Para quem tiver tempo, as grutas Del Drach merecem uma visita.
Até à próxima!

Passeio TT - Montalegre

Post esquecido!...que ficou em rascunho.
Fevereiro 2018. Acompanhei o meu cunhado num raid TT por Boticas e Montalegre.
Lembro-me de um belo dia de sol e uma temperatura bem agradável para inverno, inclusive tendo nevado não muito tempo antes.
Nesta foto, uma das subidas que criou algumas dificuldades ao nosso "Pinin"


A pausa para reforço matinal...


É sempre engraçado atravessar estas aldeias semi desertas.






Findado com um belo repasto no restaurante Pedro na aldeia de Vilarinho Seco. Um cozido à portuguesa bem recheado de "chicha"!




Até à próxima!

abril 06, 2018

Serra da Freita - Aldeia de Drave

Visita a uma das "montanhas mágicas"! A serra da Freita em Arouca.
Objectivo (entre outros): conhecer a aldeia de Drave!
Fazendo parte dos percursos do geoparque, o trilho de 4 kms começa em Regoufe, aldeia que deve a sua existência à mina de volfrâmio agora desactivada.
À chegada, um belo vale para nos acolher.


Atravessando a aldeia de Regoufe...


À saída da aldeia, um ascendente acentuado em terreno pedregoso para por à prova o caminheiro.



O trilho está classificado como sendo de categoria fácil.
Pessoalmente, penso que deveriam ter em atenção que os 4 Kms dizem só respeito à ida, sendo necessário regressar pelo mesmo caminho, cujo declives vão se fazendo sentir ao longo de todo o percurso.


Após cerca de 2,5 kms, já se vislumbra a aldeia encantada.


A ponte sobre a ribeira de Palhais...


E o que se encontra?
Um pequeno núcleo de casas em ruínas perdido no meio da serra e rodeado de...silêncio!
Encantada por parecer que a civilização nunca chegou aqui.
É, hoje em dia, um centro-refúgio de escuteiros nacionais que estão a fazer um trabalho de recuperação.


Após o almoço em Arouca (uma bela posta arouquense na casa dos bifes Silva 2), decidimos ir até ao miradouro do Detrelo da Malhada que dista pouco kms da vila.


Estamos a 1.100 metros de altitude.
Em dias de boa visibilidade, a plataforma suspensa permite, com um olhar atento, avistar as elevações a norte até ao Gerês.



Por fim, passagem pela não menos conhecida Frecha da Mizarela, onde o rio Caima projecta-se a mais de 60 metros de altura. Não se ouve, mas vê-se.


Até à próxima!

abril 05, 2018

Monsanto e Penha Garcia

No regresso de Espanha, passamos a fronteira em Monfortinho, com paragem em Penha Garcia para almoçar no restaurante "O Javali".
Depois do almoço, subida ao pequeno castelo com vista para a albufeira.



De seguida, paragem em Monsanto, onde já tínhamos estados há uns bons anos atrás.
As rochas parecem não ter "envelhecido".. :-((


Outro castelo altaneiro...outra subida! Esta bem mais puxadinha!
A vista bem lá de cima...




Algumas sugestões...


Pernoitamos em Tortosendo, Covilhã.
Um local simpático, com gente simpática e um delicioso pequeno almoço.



No dia seguinte, ao regressar, passagem Loriga para ir ver as piscinas "naturais", mas...muito nevoeiro (e alguma chuva) por todo o parque natural da serra da Estrela.


Até à próxima!

fevereiro 25, 2018

Toledo #2

O rio Tejo (por estes lados, Tajo) a correr por baixo da ponte de Alcântara. Esta bonita ponte tem origens romanas, mas foi reconstruida no período medieval, servindo de porta de acesso à cidade.
Estava fortemente protegida por duas portas fortificadas em cada extremo.


Vista sobre a cidade amuralhada...



Em redor da cidade, um planalto, com campos de perder a vista, apenas cortado pelo serpentear do rio.


O claustro do Palácio Alcazar presta homenagem a Carlos V.
Este palácio fortaleza alberga o museu do exército, mas que no fundo é um museu sobre a história da cidade e da própria Espanha. Vale bem uma vista e é gratuito ao domingo.


No bairro judeu, junto ao Mosteiro de San Juan do los Reyes,...uma zona bem arborizada e muito agradável para passear.


Por toda a cidade, sinais evidentes das várias religiões e culturas que por aqui passaram....


Muita alusão a Miguel de Cervantes, aqui com direito a uma estátua na rua com o seu nome.


À saída da muralha, novamente junto à ponte de Alcântara.


A vista mais famosa de Toledo é desde o miradouro Del Valle, já no lado esquerdo do rio Tejo.
Na colina, onde se desenvolveu a cidade, destacam-se a Catedral e o Palácio Alcazar.


Na zona oeste da cidade, a ponte medieval de San Martin, por onde passa também o Tejo que acaba por contornar a cidade. Quanto ao rio, definitivamente a necessitar de uma despoluição a sério.

Até à próxima!